CASO BRUNO
Bola chora e afirma que delegado o ameaçou de morte e de tortura

 

O ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, acusado pela Polícia Civil de ser o executor de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Souza, acusou o delegado Edson Moreira, chefe do Departamento de Investigações de Minas Gerais, de ter o ameaçado de morte e seus familiares. Ele foi interrogado nesta sexta-feira (12) no Fórum de Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, onde tramita o processo sobre o sumiço da moça. O depoimento de Bola durou cerca de duas horas. Esta sexta-feira é o quinto dia consecutivo de interrogatórios sobre o caso em Contagem. Inicialmente, Bola disse à juíza Marixa Fabiane, do 1º Tribunal do Júri, que somente iria responder perguntas feitas somente pelo advogado de defesa. “Ele é meu inimigo. Ele é o anjo mau, o que impõe terror. A toda hora ele me ameaçava, dizendo que queria pelo menos a perna da moça (Eliza), pois era a carreira dele que estava em jogo”, disse o réu para complementar. “Eu fui torturado psicologicamente. Eu tenho uma filha que mora em SP. Ele disse a mim: 'Já imaginou você ver sua filha estraçalhada igual você fez à Eliza Samudio?'. Ele me ameaçou de morte e aos meus familiares”, acusou Bola, que chorou em alguns momentos de seu depoimento. Segundo ele, as ameaças foram feitas na última das quatro vezes em que esteve no Departamento de Investigações, em Belo Horizonte. Segundo ele, a rixa entre os dois vem do tempo em que ele era aluno da Acadepol (Academia de Polícia Civil de Minas Gerais). Segundo ele, Moreira, que já era delegado de polícia, dizia a todos que pertencera à Rota (Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar), de São Paulo. Ainda de acordo com o réu, ao desmentir que Moreira, na verdade, tinha pertencido à cavalaria da Polícia Militar de São Paulo, os dois tornaram-se “inimigos”. Ele afirmou que o delegado ainda o ameaçou de colocá-lo no pau-de-arara. Procurado pela reportagem do UOL Notícias para falar sobre as acusações, o delegado respondeu apenas: "sem comentários". Bola ainda disse não ter conhecido os outros réus. Isso somente veio a ocorrer ao participar de “interrogatórios em delegacias e em audiências”. Ele declarou que os cães da raça rotweiller que treinava não foram adestrados “para matar ou atacar pessoas”. Nesse momento, ele chorou ao relembrar “que os cães haviam sido exterminados”. Bola salientou que eles eram alimentados por “ração e pão”. Ele disse ainda que os cães não “comiam carnes cruas, somente fritas ou cozidas”. Ele pediu à magistrada que, “se possível”, os cachorros deveriam ser levados ao fórum e que fosse dada a eles, como teste, carne crua. Morte de Eliza Samudio Ele afirmou que cursa a distância o curso de tecnologia em gestão pública na Faculdade Uninter, localizada na região da Pampulha. Mas ia uma vez por semana ao local. “Eu tinha aula toda quinta-feira, e uma dessas quintas-feiras deu dia 10 (de junho), graças a Deus”, apontando esse fato como um álibi. A data foi apontada pela polícia civil como o dia do assassinato de Eliza Samudio. Bola disse que o delegado Edson Moreira ainda o usou para tentar intermediar tentativa de extorsão contra o goleiro Bruno Souza --se a extorsão fosse bem-sucedida, Bola e Bruno seriam retirados do inquérito policial “Era para mim pedir ao 'patrão' R$ 2 milhões”, disse Bola, que afirmou não ter-se negado a ajudar o delegado na tentativa. Disse que só reconheceu Macarrão e Bruno. Moreira teria dito a Bruno e Macarrão: “Olha seu segurança aí”. No final do depoimento, Bola pediu a juíza pra ter acesso a médico cardiologista e dermatologista, coisa que ele afirmou não está tendo na penitenciária Nelson Hungria, em Contagem. Onde ele está preso. A juíza Marixa tomou uma edcisão inesperada e informou que o Macarrão, outro dos suspeitos do crime, está no fórum e ela vai perguntar e ele se ele quer depor hoje. A expectativa é que Fernanda Castro, ex-amante do goleiro, seja ouvida em seguida. O filho dela está no local e foi autorizado a ver a mãe em uma sala onde ela aguarda ser chamada pela juíza. Fonte: uol.combr

Notícia Postada em 12/11/2010
Comente esta notícia: