BAHIA
Entidades Bahinas se manifestam contra a CPMF

 

As principais entidades representativas da Bahia se posicionaram contra a criação de uma nova CPMF (o imposto sobre movimentações financeiras), com o fim de financiar a saúde. “A Ordem dos Advogados do Brasil é contrária a esta possibilidade que representa um retrocesso. A sociedade brasileira já sofre com uma carga tributária altíssima, sem o devido retorno”, declarou o advogado tributarista Fernando Moreira, conselheiro da OAB-BA. Para o presidente da Associação Comercial da Bahia (ACB), José Eduardo Morais de Castro, mais do que o impacto financeiro, a recriação da CPMF é “uma questão de ordem moral. Todos têm a plena consciência de que já temos uma carga tributária excessiva. Criar, ou recriar um novo imposto, mesmo que seja com 0,01%, é inoportuno, totalmente fora de propósito”, declarou. O presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), José de Freitas Mascarenhas, também se manifesta. “Não tem nenhum sentido. Nós já temos uma carga tributária altíssima, para o serviço que se recebe em troca”, enfatizou. Já o presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado da Bahia (Sindilojas-BA), Paulo Mota, diz que participou na última sexta-feira (5) de um encontro com 30 dirigentes de Sindilojas de várias regiões do país, e constatou que o repúdio à possibilidade de um novo imposto é geral. Informações da Tribuna da Bahia.

Notícia Postada em 11/11/2010
Comente esta notícia: