Mãe confessa que cortou o ocultou corpo de bebê em Porto Seguro

 

Para quem imaginava que a violência sem limites acerca da morte do bebê Nathan Vitor Cerqueira, de dois meses e meio de idade, tinha chegado ao fim após o seu corpo ter sido encontrado dentro de uma panela de pressão, está ainda mais chocado com o desfecho do caso, já que após quatro horas de depoimento ao delegado Delmar Bitencourt, titular da 1ª Delegacia Territorial de Porto Seguro (DT), a mãe da criança, Renata Cerqueira, de 20 anos, acabou confessando que cortou o corpo do filho em pedaços e logo depois escondeu os restos mortais no interior do utensílio doméstico, que inicialmente teria sido colocado dentro de um guarda roupa da casa.


De acordo com o delegado Delmar Bitencourt, Renata falou em seu interrogatório que a criança teria morrido afogada na banheira e ela com medo de ser acusada pela morte, acabou ocultando o corpo. A criança estava desaparecida desde o último sábado, dia 20 e nesta segunda-feira (23/08), após Renata voltar de uma passeata onde em companhia de outras pessoas pediam ajuda para encontrar o bebê, acabou deparando-se com a sua casa cheia de vizinhos e recebeu a notícia do achado do corpo do filho.


Segundo testemunhas ouvidas pela polícia, Renata foi uma das primeiras pessoas a sair da passeata e logo em seguida a mãe dela teria ligado pedindo que a mesma retornasse à sua residência, pois estaria acontecendo algo de estranho. Uma tia do bebê chegou primeiro no imóvel e ao abrir a panela de pressão que estava em cima do fogão, além do intenso mau cheiro, deparou-se com os pedaços do corpo.


Durante o seu depoimento contraditório a acusada apresentou justificativas duvidosas, mas não chegou a admitir o assassinato do próprio filho. "Ela afirma que a criança morreu afogada na banheira e com medo de ser acusada da morte, ela [a mãe], resolveu cortar e ocultar o corpo”, disse o delegado Delmar Bitencourt, que indiciou Renata, para que a mesma seja apresentada à Justiça. "O indiciamento já foi feito e para segurança dela própria, está presa. Agora iremos apresentá-la ao Poder Judiciário, que vai decidir pela prisão preventiva ou se a mesma responderá ao crime em liberdade”, completou.


Ainda de acordo com Bitencourt, no meio do depoimento a mulher chegou a admitir que não estaria contente com o relacionamento com o pai do bebê. "Aparentemente ela apresenta distúrbios, chegou a admitir esse problema com o pai do seu filho, mas não admitiu o assassinato. Agora são os exames de medicina legal que vão definir se a morte foi mesmo por afogamento, ou outro motivo”, reafirmou.

 

Ronildo Brito

 


 


Notícia Postada em 23/08/2016
Comente esta notícia: