Acusado de assassinatos possuía revólver da PM

 

Um homem acusado de dois assassinatos na cidade de Eunápolis foi preso na manhã desta sexta-feira (08), na Roça do Povo, zona rural do município. Para surpresa dos policiais civis, Sirlon Risério da Silva, 20 anos, portava uma arma da Polícia Militar do Estado da Bahia. O revólver calibre 38 já estava com o número de série suprimido, mas ainda possuía a gravação do nome da corporação. 'Eu comprei o revólver de uma pessoa que disse que era ex-soldado da PM em Itabuna', alegou Sirlon. Mas a delegada Valéria Fonseca, coordenadora da Polícia Civil na região, contesta. ‘Temos certeza que não foi desse jeito dito por ele', frisou Valéria. Conforme a delegada, a polícia vai investigar como a arma apreendida foi subtraída da PM. irlon, segundo a polícia, é suspeito de ter matado Givanildo Pereira Santos, 21 anos, em julho do ano passado e o cadeirante Alisson Cardoso dos Santos, de 23 anos, em maio deste ano. Pela morte de Givanildo, que era mais conhecido como ‘Vanvan’, Sirlon estava com prisão preventiva decretada pela justiça. 'Quanto à morte de Alisson temos comprovação do envolvimento dele e também vamos representar por sua prisão preventiva', acrescentou a delegada, sem detalhar a motivação dos homicídios. O acusado negou a autoria dos assassinatos. 'Nunca matei ninguém. Só Deus tem esse poder de tirar a vida de uma pessoa. A arma era somente para minha defesa. Não tenho noção de quem eram essas pessoas', esquivou-se Sirlan. Junto com Sirlon, os agentes da Polícia Civil prenderam ainda Delisvânio Rodrigues da Silva, 40 anos, também com um revólver calibre 38. 'Nunca usei essa arma, que comprei por R$ 1.500,00, para matar ninguém, só para minha defesa', declarou Delisvânio. Além das armas, foram encontrados com a dupla 12 munições intactas, um tablete de 20 gramas de maconha e um aparelho usado para destrinchar a droga. Autuados em flagrante por porte ilegal de arma de fogo e tráfico de drogas, Sirlon e Delisvânio foram encaminhados para o presídio de Eunápolis. Disque-denúncia da Polícia Civil O Serviço de Investigação da Delegacia Territorial disponibiliza um telefone celular para denúncias. A ligação pode ser a cobrar e o cidadão não precisa se identificar: (9090) 8196-5853. radar64

Notícia Postada em 09/08/2014
Comente esta notícia: