PONTO DE VISTA: Cessar ou não cessar fogo, eis a questão...

 

Por [A. Zarfeg]


Cidadã do mundo pede cessar-fogo na faixa de Gaza, no Facebook

A conta é simples, mas os números – absurdos, kafkianos e irracionais – falam por si. Em apenas 15 dias do conflito entre Israel e Hamas (faixa de Gaza), já morreram quase 600 palestinos, sendo a maioria civil. Enquanto do lado israelense, foram computadas apenas 27 vítimas, a maioria militar. Esses números não deixam qualquer dúvida de que se trata de uma guerra entre David e Golias, em que este vencerá aquele sem maiores dificuldades. (Se é que podemos falar em vencedores numa guerra.) Portanto, a desproporção de forças salta à vista e, por isso, pesa muito contra Israel, a ponto de a opinião pública internacional pedir o cessar-fogo imediato ou, mesmo, sair em defesa dos palestinos... Que fique claro, porém, que nesse jogo de interesses, ódio e intolerância não há lugar para inocentes. Nem do lado de Israel nem no do Hamas (que é quem controla de fato a faixa de Gaza pro bem e pro mal e, para piorar, não se entende nem com a Autoridade Palestina, cuja atuação está restrita à Cisjordânia). Há, sim, inocentes nesta disputa odiosa: a população civil, que é alvo fácil tanto dos foguetes israelenses quanto da manipulação do Hamas. Além da desproporção de forças, a péssima pontaria dos soldados israelenses – que insistem em confundir civis (crianças, velhos e mulher grávida) com terroristas – tem sensibilizado ainda mais os pedidos pró-cessar-fogo já, sobretudo nas redes sociais. Neste momento, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, se encontram no Egito articulando um possível fim para os bombardeios israelenses... Aliás, historicamente, os EUA sempre tomaram o partido de Golias, digo, de Israel, financiando as operações militares israelenses. A lógica – absurda – funciona assim: primeiro, eles apoiam Golias e, depois, liberam uma ajudazinha para o pobre Davi, como agora, quando acabam de destinar U$ 47 milhões “em recursos para atender as necessidades humanitárias da população de Gaza”. E nem adianta endereçar um “fuck you” desse tamanho pro Tio Sam! Tampouco limitar a questão palestina a esse tão desejado cessar-fogo!

Notícia Postada em 22/07/2014
Comente esta notícia: