Espécie humana passa por evolução inédita, diz biólogo

 

Mais alto, mais gordo, sexualmente precoce, mas cada vez menos fértil: o Homo sapiens não está passando por uma mutação, mas nossa espécie vem sofrendo uma evolução inédita em 200 mil anos de existência, segundo o biólogo francês Jean-François Bouvet. - Pela primeira vez em sua história, a modificação do meio ambiente pelo Homem é o principal fator de sua evolução, superando a seleção natural. Não é uma evolução no sentido de Darwin, mas uma retroevolução - resume Bouvet. Em seu último livro, Mutants, à quoi ressemblerons-nous demain? ("Mutantes, como seremos amanhã?"), ele explora a "multiplicidade das mudanças e transformações, por vezes radicais, que afetam os seres humanos em diversos âmbitos" há décadas. Segundo aponta, a estatura média dos franceses, por exemplo, aumentou em quase 5 centímetros em 30 anos, enquanto a proporção de obesos quase dobrou nos últimos 15 anos, atingindo 15% da população. Uma tendência que se observa em qualquer região do mundo, assim como a chegada precoce da puberdade, "sobretudo entre as meninas, mas não unicamente nelas", indica o biólogo. Um estudo realizado nos Estados Unidos mostra que uma menina branca em cada 10 e uma menina negra em cada quatro atingem a puberdade aos sete anos. Paradoxalmente, esta precocidade sexual vem acompanhada de uma "fertilidade em queda livre", de acordo com Bouvet. Em escala planetária, a concentração de espermatozoides no sêmen reduziu em 40% nos últimos 50 anos. O homem também apresenta cada vez menos traços "masculinos", a julgar pela redução do nível de testosterona e a suavização de outras características biológicas associadas à masculinidade. Mas quais seriam as causas dessas transformações tão rápidas? O biólogo menciona, além dos fatores genéticos, o "Big Bang químico" criado pelo Homem, que está transformando o Homo sapiens em um "Homo perturbatus". Bouvet cita uma lista de produtos químicos de reputação sinistra: o bisfenol A, ftalatos, DDT, atrazina e outros pesticidas, sem falar nos antibióticos, suspeitos de serem um fator de obesidade. Estas substâncias poluentes, muitas delas afetam o sistema hormonal, podem ter uma vida extremamente longa: seis ciclos para que a quantidade do inseticida clordecona reduza pela metade, e no caso dos piralenos (PCB) de 94 dias a 2.700 anos. Todas essas substâncias têm "efeitos comprovados na descendência ao longo de muitas gerações, e que criam um fenômeno a longo prazo", cujas consequências ainda não há certezas. Por sorte, a medicina moderna já encontrou solução para alguns dos males: fabricar espermatozódes em laboratório a partir de células-tronco já foi realizado em ratos de laboratório, e no futuro estuda-se o útero artificial, "nos próximos cinquenta anos", prevê o autor. Os avanços da medicina oferecem ao ser humano a possibilidade de viver mais anos, mas "a esperança de ter uma vida saudável está estagnada", adverte o cientista. E ainda não há certeza de que a medicina preventiva, que utiliza marcadores genéticos para despistar os riscos de desenvolvimento de algumas doenças, é suficiente para reverter esta tendência. - Somos a única espécie que sabe que irá morrer. Talvez agora percebamos que saber isso não é, necessariamente, melhor - afirma Jean-François Bouvet. zerohora

Notícia Postada em 10/03/2014
Comente esta notícia: