ITANHÉM
Sessão da Câmara para votar contas do prefeito Bentivi foi marcada por polêmica e bate-boca

 

A sessão da Câmara Municipal de Itanhém, da última quinta-feira (5/5), foi marcada por muita polêmica, bate-boca e troca de acusações. Na oportunidade, os vereadores votaram as contas do prefeito Bentivi (PSB), relativas ao exercício fiscal de 2009. Essas mesmas contas já haviam sido aprovadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), mas com ressalvas. Por isso, a maioria dos vereadores estava decidida a contestar o parecer prévio do TCM, com o argumento de que os indícios de irregularidades eram fortes e pesavam contra a administração do prefeito Bentivi. Liderados pelo presidente da Câmara, Robinho Caires, cinco dos nove vereadores estavam decididos a reprovar as contas. Os outros quatro edis, ligados ao prefeito, votariam a favor das contas.

Porém, para anular o parecer prévio do TCM, eram necessários dois terços da Câmara, ou seja, seis dos nove vereadores. Nesse clima de expectativa, todos se prepararam para o início da sessão. O presidente da Câmara, o prefeito Bentivi (que esteve pessoalmente lá) e o público, que lotou as dependências do Legislativo.

Ao fazer uso da palavra, o prefeito defendeu a aprovação das contas pelos vereadores. Ainda em sua defesa, Bentivi argumentou que as ressalvas eram detalhes técnicos. Até porque, segundo ele, a grande parte das prefeituras da região teve as contas, relativas ao ano de 2009, aprovadas com ressalvas. Bentivi não informou que o prefeito de Prado, mesmo tendo as contas aprovadas pelo TCM, recebeu o não da Câmara Municipal.

Em seus discursos, os vereadores se dividiram quanto à aprovação ou não das contas. Os da oposição estavam decididos a dizer não. Os quatro vereadores da situação apresentaram um discurso pouco convincente. Um deles, apesar de possuir curso superior, se considerava incapaz de julgar as contas do prefeito Bentivi. “Se o tribunal disse sim, quem sou eu para dizer não?”, afirmou o vereador Deó. O vereador Dema, por sua vez, se mostrou desinformado sobre a rotina da Casa.

Em seguida, o presidente da Câmara passou a fazer uso da palavra. Adversário declarado do prefeito e disposto a convencer seus pares a votar contra o parecer do TCM, Robinho Caires citou denúncias graves contra a administração de Bentivi. O vereador teve o cuidado de mostrar tudo num telão. À medida que Robinho mostrava as supostas irregularidades, o clima foi ficando pesado. O constrangimento era evidente, tanto para o prefeito quanto para os vereadores da situação. Quando o presidente passou a questionar o vereador Delzivan, este replicou verbalmente, mesmo sem o consentimento do colega.

O bate-boca chegou ao ponto de o presidente ameaçar expulsar o vereador Delzivan, aliado e parente do prefeito, do plenário. A ameaça acabou se concretizando com a expulsão do vereador. Inconformados com a expulsão, Bentivi e os outros três vereadores aliados se retiram da sessão. Os cinco vereadores da oposição, por fim, votaram contra o parecer do TCM. No entanto, por não serem maioria, o parecer do tribunal foi mantido. Mas o clima de tensão entre os poderes Legislativo e Executivo promete continuar por um bom tempo em Itanhém. “Para o bem da democracia”, afirmou Bita de Itanhém, colunista do Itanhemfest. Veja vídeo da Reunião da Câmara de Vereadores de Itanhém do dia 05 de maio de 2011
Watch live video from . on Justin.tv

Notícia Postada em 11/05/2011 por: Equipe itanhemfest
Comente esta notícia: